O Diário de Anne Frank – Novos formatos relembram relato histórico

O diário de uma adolescente judia, escrito entre 1942 e 1944 quando, escondida do regime nazista com sua família, registrou em seus cadernos seu dia a dia, se transformou em um dos maiores clássicos da literatura mundial. Revelando anseios típicos de uma jovem de sua idade e sua perplexidade com a situação e os riscos a que estavam submetidos, os escritos foram resgatados no pós-guerra pelo único sobrevivente da família, o pai de Anne, Otto Frank. O Diário de Anne Frank deu um rosto e uma identidade a mais de 6 milhões de judeus que, como Anne, acabaram perdendo a vida durante o Holocausto. A obra continua sendo, ao longo das décadas, um dos livros mais vendidos da história, tendo sido publicado em mais de 70 países e gerado peças de teatro, filmes e documentários.

Comprovando a atualidade do texto, foi anunciado o lançamento mundial de uma versão em quadrinhos da história, a ser publicada no Brasil no início de outubro, e prevista para ser transformada ainda em um filme de animação em 2019. A HQ será publicada pela Editora Record, também responsável pela edição no Brasil do livro que traz a íntegra do Diário original. A Fundação Anne Frank, visando dar uma nova vida ao relato literário, contatou o cineasta israelense Ari Folman, que convidou para ajudá-lo na empreitada o diretor de arte e ilustrador David Polonsky. Sobre a experiência de adaptação do livro, Folman declarou ao Jornal O Globo: “Li umas vinte vezes cada página para trabalhar no roteiro. Em cada uma delas, me dizia: ‘Uau, isso deveria entrar na íntegra’. A tarefa mais dura foi fazer os cortes. Trabalhava em 30 páginas do diário para fazer 10 páginas da HQ.

Além do formato padrão e da HQ que está por vir, o Diário da jovem Anne conta com uma versão em áudio, produzido este ano pelo Ubook em parceria com a Editora Record. Transformar em áudio todo o conteúdo escrito por Anne durante os 743 dias de cativeiro apresentou inúmeros desafios, sendo um dos principais a seleção de uma narradora que pudesse passar com veracidade e sentimento as emoções da jovem. A escolhida foi a atriz Joana Caetano, que revela: “Eu sempre tive carinho especial pelo Diário. Quando tive a oportunidade de ser a voz da Anne, me vi diante da imensa responsabilidade de interpretar alguém que, apesar de bastante jovem, revelava muita maturidade na busca pelo entendimento necessário para se educar a viver num contexto histórico tão violento. Foi um grande desafio sentir todas as suas palavras sem me deixar levar pela emoção dos desdobramentos que todos conhecemos. Como Anne, fui de peito aberto, porque, para os que ficamos, o diário segue atual.”. A pesquisa das pronúncias dos nomes dos personagens mencionados pela autora e a extrema fidelidade ao texto, que é marca das produções do Ubook, foram também preocupações na adaptação deste grande clássico para o áudio.

O resultado é um audiolivro que toca o coração e mantém viva a memória da jovem Anne. Durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, nossa equipe teve a oportunidade de ver de perto a reação dos ouvintes. Em um de nossos totens de demonstração, no estande da Record, uma frequentadora chegou a se emocionar escutando um trecho do livro no Ubook, apesar de toda a movimentação típica do evento no entorno dela. “Parece que estou ouvindo a própria Anne falar”, comentou.

Se você deseja conhecer ou relembrar O Diário de Anne Frankclique aqui, escute e desfrute desta obra, que além da qualidade literária reconhecida, é também um documento histórico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s